myPOS blog Dicas

O que é o SEPA – Espaço Único de Pagamentos em Euros

Criou o seu negócio e está a geri-lo na Europa. Perante isto, é provável que esteja a trocar bens ou serviços com outras empresas do mesmo continente e isso significa que precisa de efetuar ou receber pagamentos em euros fora do seu sistema nacional. Neste caso, as transferências serão feitas através do SEPA.

Mas o que é o SEPA e que regulamentos inclui? Continue a ler para saber mais!

O que é o SEPA

O SEPA é um acrónimo para o Espaço Único de Pagamentos em Euros – uma iniciativa de integração de pagamentos da União Europeia. O seu objetivo é trazer uniformidade nos pagamentos nacionais e internacionais e normas unânimes em todos os países participantes. Assim, simplifica as transferências de capital dentro da união.

Os cidadãos, as empresas e a administração pública podem fazer e receber pagamentos em euros de forma mais rápida e barata, uma vez que as mesmas condições básicas, direitos e obrigações se aplicam, independentemente da localização.

Os pagamentos SEPA em euros são feitos, utilizando quatro instrumentos principais: transferências de crédito, transferências de crédito instantâneas, crédito direto e débito direto business-to-business.

Por quê o SEPA

A introdução da União Económica e Monetária e da moeda do euro tem sido de grande importância para a formação de um mercado único na União Europeia. Desde janeiro de 2001, tem sido possível fazer pagamentos em dinheiro em toda a zona euro.

No entanto, durante algum tempo, quando se tratou de pagamentos não monetários nacionais, a fragmentação sustentada e a conveniência que o euro tinha de resolver era difícil de alcançar.

O SEPA foi iniciado para eliminar as diferenças.

Quais são as vantagens do SEPA?

As condições uniformes estabelecidas pelo SEPA facilitam todas as operações em euros em termos de facilidade, rapidez, segurança e eficiência. Os pagamentos internacionais são processados da mesma forma que dentro de cada um dos mercados nacionais.

O SEPA está entre os passos para uma integração económica e monetária plena que beneficia tanto os consumidores, as empresas como a administração pública. A iniciativa promove uma economia europeia eficiente, uma concorrência leal e a inovação.

Uma história rápida do SEPA

O SEPA foi iniciado em 2007, quando a União Europeia aprovou a Diretiva de Serviços de Pagamento. Moldou a base jurídica para a integração introduzida pela primeira vez em 2008 para as transferências de crédito. Os débitos diretos estavam disponíveis a partir de 2009 e o SEPA estava totalmente implementado na zona euro até 2014. Vários países não euro aderiram em 2016.

No final de 2019, a Comissão Europeia impediu os bancos de cobrarem taxas adicionais aos países terceiros da UE pela transferência de dinheiro para fora do seu sistema nacional. As regras alargadas estabelecem que todos na União Europeia têm o direito de transferir euros para o estrangeiro ao custo que pagariam por uma transação doméstica.

Os bancos são também obrigados a informar antecipadamente os consumidores sobre o custo de conversão cambial quando a moeda de um pagamento internacional difere da aceitação nacional do recetor.

A implementação do SEPA é um processo em curso. Os regulamentos ainda devem ser aplicados aos pagamentos móveis e pagamentos online.

Países SEPA

O SEPA tem 36 membros, alguns dos quais: Áustria, Belgium, Grã-Bretanha, Bulgária, Chipre, Croácia, República Checa, Dinamarca, Estónia, Finlândia, França, Alemanha, Grécia, Hungria, República da Irlanda, Itália, Letónia, Lituânia, Luxemburgo, Malta, Países Baixos, Polónia, Portugal, Roménia, Eslovénia, Eslováquia, Espanha e Suécia, os 3 países do EEE da Noruega, Liechtenstein, Islândia e também Suíça e Mónaco.

Conclusão

O SEPA é um sistema de transações criado pela União Europeia. Consumidores, empresas e agentes governamentais dos países onde o SEPA opera podem fazer transferências internacionais não numerárias.

Cerca de 50 mil milhões de transações de SEPA estão a ser processadas anualmente em todos os países membros. A iniciativa é gerida pelo Conselho Europeu de Pagamentos em colaboração com a Comissão Europeia, o Banco Central Europeu e outras instituições europeias.

Disclaimer: Tenha em atenção que o conteúdo deste artigo e do Blog myPOS, em geral, não deve ser interpretado como legal, monetário, fiscal, ou nenhum outro tipo de aconselhamento profissional. Deve sempre consultar um profissional antes de tomar uma atitude, uma vez que esta situação em particular pode diferir materialmente de outros casos.

Partilhar esta publicação:

Publicações relacionadas

Fale connosco
Cookie

Selecione a sua preferência de cookies

2-3