myPOS blog Dicas

Comércio eletrónico – o que é o ecommerce?

Não seria exagero dizer que todos nós provavelmente já compramos algo online nas últimas duas décadas e meia. Afinal, com a proliferação da rede mundial, a Internet e as tecnologias que acompanham estes desenvolvimentos, tornou-se ainda mais fácil fazer compras online.

Seja através do seu smartphone, computador, portátil ou tablet – o e-commerce tornou-se uma expressão familiar. E há uma boa razão para que assim seja. Permite que as pessoas comprem conforme a sua disponibilidade, 24 horas por dia, 7 horas por dia. Acabaram-se as horas de abertura e fecho, como temos com lojas físicas.

Estes são fatores importantes a ter em conta quando se pensa em iniciar o seu negócio de comércio eletrónico. Mas há mais.

O que é o comércio eletrónico?

A definição de e-commerce ou comércio eletrónico refere-se efetivamente a um tipo de modelo de negócio, que permite tanto às empresas como aos particulares adquirirem e venderem bens através da Internet, através de um mercado virtual.

Exige igualmente o intercâmbio de informações, tais como dados dos titulares de cartões e a segurança a este respeito. Também foi chamado de “tecnologia disruptiva” porque permite que os consumidores comprem online quase tudo o que possam imaginar. Desde bilhetes de avião, até dispositivos POS, livros, música, serviços de subscrição, moda etc.

Além disso, prevê-se que esta tendência venha a registar um crescimento substancial, prevendo-se que 95% de todas as compras sejam feitas através do comércio eletrónico até 2040, enquanto 21,8% da população mundial já faz as suas compras online. O que significa isto para si e para o seu negócio? Bastante, na verdade.

Para começar, significa que precisa de um site de carregamento rápido, uma vez que 75% da taxa de abandono do carrinho acontece devido a sites lentos. Além disso, aproximadamente 43% de todo o tráfego de e-commerce provém de pesquisas orgânicas do Google.

E por falar no Google, as estimativas mostram que cerca de 35% das pesquisas de produtos da Google são convertidas em compras dentro de cinco dias. Além disso, pouco mais de 50% de todas as vendas online são realizadas através dos smartphones dos consumidores.

Uma das grandes vantagens do e-commerce é o facto de ter ajudado os pequenos retalhistas com um alcance estreito a “acederem e estabelecerem uma presença mais ampla no mercado” através da disponibilização de canais de distribuição mais acessíveis para os seus produtos e/ou serviços.

Como funciona o comércio eletrónico?

Para começar, é necessário determinar quais os produtos e/ou serviços que vai oferecer aos seus consumidores. Em seguida, é necessária a criação da entidade empresarial para garantir que todas as legalidades estão em conformidade.

A partir daí, será necessário criar um website com um checkout para aceitar pagamentos. Como mencionado acima, a velocidade do seu site é fundamental para o sucesso das suas vendas, uma vez que 75% das pessoas abandonam os carrinhos de compras quando se deparam com sites de carregamento lento. O check-out que escolher deve ser compatível com o DSS PCI, o seu website precisa de ser seguro (com um certificado SSL) e também tem de ser compatível com o RGPD.

É assim que funciona o ecommerce

Também terá de garantir que o seu website tem um excelente design e que o seu produto e/ou oferta de serviços é exibido de forma atraente. Uma vez resolvido tudo isto, está pronto a vender online. No entanto, vai precisar de dirigir o tráfego para o seu site e pode usar as redes sociais, listas de email, publicidade paga e muito mais para fazê-lo.

Quando o seu primeiro cliente navegar no seu produto ou oferta de serviço e decidir comprá-lo, será levado a uma página segura onde poderá introduzir os dados do cartão bancário para efetuar o pagamento. É aqui que entra o seu check-out. Depois disso, o banco emissor, os esquemas de cartões, os adquirentes, etc. comunicam entre si para garantir que os seus fundos sejam liquidados na sua conta online (que deverá ter configurado desde o início).

E voilá! É assim que se é pago através do comércio eletrónico.

História do comércio eletrónico

Olhando para as origens e raízes do comércio eletrónico, diz-se que data desde a década de 1960, quando as empresas utilizaram o Electronic Data Interchange para “facilitar a transferência de documentos”. No entanto, a primeira transação de e-commerce que envolveu o pagamento de fundos por um item ocorreu após o início da Internet, a 11 de agosto de 1994, quando dois amigos tomaram parte de uma venda online de um CD Sting através do site de retalho NetMarket.

Desde então, houve uma mudança drástica no nicho e podemos ver isso através do estabelecimento e crescimento exponencial de empresas como a Amazon, o eBay, o Etsy e muitos outros. A Amazon, por exemplo, foi lançada um ano após a venda do CD em 1995 e tornou-se um nome familiar. Em 1999, o comércio eletrónico global atingiu o valor de 150 mil milhões de dólares.

Poucos anos depois, em 2003, a Amazon registou o seu primeiro lucro. Em 2015, a Amazon obteve mais de metade do crescimento do nicho e, em 2017, as vendas globais de comércio eletrónico atingiram os 2.304 biliões de dólares, um aumento de 24,8% em relação ao ano anterior.

Durante o mesmo ano, as transações globais de ecommerce geraram 29.267 biliões de dólares, com uma alegria madas vendas a serem impulsionadas por transações entre empresas, seguidas de vendas entre empresas e consumidores.

O que é um negócio de comércio eletrónico?

Embora possa parecer bastante simples: um negócio de e-commerce é um negócio que vende online, existem vários tipos diferentes destes negócios, que atendem a diferentes públicos.

Os principais tipos de modelos de negócio de comércio eletrónico são os seguintes:

Business-to-Consumer (B2C)

Este é o tipo de negócio mais popular de e-commerce. Por exemplo, quando se compra um livro num marketplace online.

Business-to-Business (B2B)

Isto é quando um negócio vende algo a outro negócio. Um exemplo disso é o myPOS que vende sistemas POS a comerciantes em toda a Europa.

Direct-to-Consumer (D2C)

Este é o mais recente modelo de comércio eletrónico e envolve marcas que vendem diretamente aos clientes finais sem passar por retalhistas, distribuidores ou grossistas. Alguns exemplos das plataformas onde isto acontece são Facebook, Pinterest, Instagram e SnapChat. Este modelo proporciona às marcas mais controlo sobre as mensagens de marca e envolvimento dos consumidores, mais oportunidades para inovar, acesso direto aos dados dos clientes, margens mais elevadas, fidelização da marca mais forte e oportunidades de mercado alargadas. 

Consumer-to-Consumer (C2C)

Este tipo de modelo de negócio implica a venda de um bem ou de um serviço por um consumidor a outro consumidor. Algumas plataformas que oferecem este tipo de troca incluem Fiverr e eBay.

Consumer-to-Business (C2B)

Este modelo envolve a venda de um produto ou serviço por um consumidor a uma empresa. Exemplos disso incluem consultores, fotógrafos, influenciadores, escritores freelancers e muito mais.

Vantagens e limitações

Quais são as vantagens do e-commerce?

Ver as vantagens e desvantagens do comércio electrónico

Tendo em conta que 95% da população global deverá adquirir produtos de empresas de comércio eletrónico até 2040, abrem-se muitas portas aos empresários através da variedade de vantagens que oferece.

Aqui estão apenas alguns deles:

  • Fornece um mercado global de consumidores que não se limita a uma determinada área geográfica
  • Uma loja online nunca dorme, garantindo disponibilidade a qualquer momento
  • Custos operacionais mais baixos de gerir uma empresa devido a menos despesas exigidas
  • Gestão automatizada e acelerada de inventários para ajudar as empresas a poupar nos custos
  • Marketing direcionado através da disponibilidade muito mais ampla de dados dos clientes
  • O comércio eletrónico pode melhor visar e servir mercados de nicho
  • Requer muito pouco investimento em hardware e software e os proprietários de negócios podem gerir o seu negócio a partir de qualquer lugar
  • Conveniência oferecida aos clientes através de entrega rápida e fácil devolução
  • Personalização da experiência do cliente
  • Oferta mais ampla e maior seleção de produtos/serviços
  • Transações sem fronteiras que garantem que podem maximizar o seu potencial de venda
  • Capacidade de escalar o seu negócio facilmente, de forma acessível e com muito menos esforço do que teria com uma loja física
  • Os desenvolvimentos tecnológicos inovadores facilitam a comercialização dos seus produtos, melhoram a colaboração da equipa e impulsionam o seu atendimento ao cliente.

Quais são as limitações do comércio eletrónico?

Tal como acontece com todos os modelos de negócio por aí, o e-commerce também tem as suas limitações. Algumas destas listas estão listadas abaixo:

  • O seu atendimento ao cliente será limitado, uma vez que os clientes não terão facilmente um funcionário a demonstrar a forma como o seu produto funciona ou responde a perguntas que os seus clientes possam ter.
  • A gratificação instantânea é atrasada, uma vez que os clientes terão de esperar que o item lhes seja enviado.
  • Os clientes não podem tocar fisicamente nos produtos e as imagens online nem sempre conseguem transmitir toda a história sobre um produto.

Comércio eletrónico vs negócios eletrónicos

Enquanto o comércio eletrónico é essencialmente acerca da venda e compra de bens e serviços online, esta é apenas uma parte da história. O negócio eletrónico, ou e-business “envolve todo o processo de gestão online de uma empresa”.

Enquanto a primeira é apenas uma parte do e-business, esta envolve todas as atividades que fazem parte de um negócio online.

Exemplos de negócios de comércio eletrónico bem-sucedidos

Como mencionado acima, as empresas de e-commerce assumem várias formas. Vão desde o retalho ao dropshipping, produtos digitais a atacado, serviços a subscrição, crowdfunding e muito mais. 

Alguns dos negócios mais bem-sucedidos deste tipo no mundo de hoje são Alibaba, Amazon, Walmart, eBay e Wayfair.

Como iniciar um negócio de comércio eletrónico

Veja aqui como iniciar um negócio de comércio electrónico

Se está convencido de que o comércio eletrónico é o caminho a seguir para o seu negócio, este é o momento de analisar alguns dos passos que terá que dar no início.

  1. Faça a sua pesquisa: público-alvo, competição e custos
  2. Escolha o produto/serviço que gostaria de oferecer aos seus clientes
  3. Saiba de onde vêm os seus produtos e encontre fornecedores
  4. Determine o nome do seu negócio
  5. Estruture o seu plano de negócios
  6. Determine todos os aspetos da sua marca
  7. Determine a sua estratégia de envios
  8. Crie o sua loja online e encomende-o de um profissional ou opte por um modelo gratuito, como os oferecidos pelo myPOS Online
  9. Criar um portal de pagamento
  10. Faça o marketing do seu negócio usando uma variedade de canais: redes sociais, emails, publicidade paga
  11. Meça o desempenho do seu negócio e identifique os principais indicadores de desempenho

Conclusão

Agora que sabe o que é o comércio eletrónico, como começou, e por que é uma boa ideia investir na sua própria loja online, pode ser um pouco esmagador pensar no processo de o iniciar. No entanto, se já determinou quais os produtos e/ou serviços que vai oferecer aos seus clientes, há uma maneira fácil de começar, que é com uma loja myPOS Online gratuita.

Existem muitos modelos de design predefinidos atraentes por onde escolher e a parte dos pagamentos já está tratada. Além disso, pode usufruir de uma liquidação instantânea de todos os fundos recebidos, pois esta é uma ótima maneira de ajudar a aliviar os desafios de liquidez. Também recebe apoio ao cliente 24 horas por dia, 7 dias por semana, bem como um cartão de visita gratuito para poder começar a negociar.

Todos os seus fundos recebidos serão transferidos para a sua conta comercial gratuita de várias moedas e poderá vender mesmo enquanto dorme!

Partilhar esta publicação:

Publicações relacionadas

Fale connosco
Cookie

Selecione a sua preferência de cookies

2-3